Determinação da produtividade primária liquida (NPP) de pastagens na bacia do rio Paranaíba, usando imagens MODIS

Roberto Rosa, Edson Eygi Sano

Resumen


O presente trabalho teve como objetivo determinar a Produtividade Primária Liquida (NPP) de pastagens cultivadas na bacia hidrográfica do rio Paranaíba, usando imagens obtidas pelo sensor MODIS/Terra. A metodologia usada baseia-se no modelo paramétrico proposto por Kumar e Monteith (1981) que estabelece as relações entre radiação fotossinteticamente ativa absorvida pelas plantas e a produtividade de biomassa. A partir deste modelo foi possível estimar a NPP, em função do NDVI e PAR acumulados mensalmente no período de outubro de 2010 a setembro de 2011. Como resultados verificamos que a NPP das pastagens apresentou valores crescentes do mês de outubro de 2010 até janeiro de 2011, quando atingiu seu valor máximo (1.039,6 Kg MS/ha mês), e a partir de então a produtividade permanece praticamente constante até abril de 2011, quando começa a decrescer, atingindo o valor mínimo mensal em setembro de 2011 (301,2 Kg MS/ha mês). Esta produtividade acompanha as variações das condições pluviométricas da região. A produtividade anual encontrada foi de 8.591,9 Kg MS/ha. Aproximadamente 74% da produtividade ocorreu na estação chuvosa e 26% na estação seca. No entanto, esta produtividade para a estação seca está acima dos valores encontrados na literatura, os quais sugerem valores máximos de 20%. Acreditamos que tais valores foram superestimados em função do NDVI, que foi “mascarado" devido à moderada resolução espacial do sensor (250 x 250 m), à composição de imagens que formam o produto MOD13Q1 (16 dias) e aos algoritmos usados para melhorar a qualidade dos produtos.

Palabras clave


pastagens, NPP, PAR, MODIS/Terra, sensoriamento remoto

Texto completo:

PDF


Licencia Creative Commons

Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-SinDerivar 4.0 Internacional.


GeoFocus es la revista del Grupo de Tecnologías de la Información Geográfica de la Asociación de Geógrafos Españoles. Recibe soporte institucional y técnico de RedIRIS (Red Española de I+D soportada por el Gobierno de España), de la FECYT (Fundación Española para la Ciencia y la Tecnología) y Grumets (Grupo de Investigación Métodos y Aplicaciones en Teledetección y Sistemas de Información Geográfica).